O ESTADÃO

Matéria publicada no Caderno Sustentabilidade do Jornal Estadão

Contra estresse, casal adota ‘lar ambulante’ sobre rodas

Os dois desenvolveram a Síndrome de Burnout; modelo das tiny houses faz parte de conceito de vida mais simples

Juliana Tiraboschi, Especial para o Estado

06 Outubro 2017 | 06h00

SÃO PAULO - Em 2013, a hoteleira Isabel Albornoz, de 40 anos, trabalhava no departamento comercial de uma agência de turismo quando o estresse a levou a desenvolver a Síndrome de Burnout, causada por condições de trabalho desgastantes. Alguns meses depois, o marido dela, o estatístico Robson Lunardi, de 35 anos, teve o mesmo problema. 

Contra estresse, casal adota ‘lar ambulante’
Sobre rodas. Robson Lunardi e Isabel Albornoz com o filho na moradia, que terá 27 m², painéis solares e esgoto seco Foto: Isabel Albornoz e Robson Lunardi

 

Ambos desaceleraram o ritmo e, quando o filho do casal nasceu, em 2015, ela resolveu parar de trabalhar para cuidar do bebê. Mais ou menos na mesma época, Lunardi assistiu a uma palestra de Andrew Morrison, um dos percussores das “tiny houses”, pequenas casas sobre rodas que fazem parte de um conceito de estilo de vida mais simples.

“Vivíamos em uma casa grande, dava trabalho para cuidar e tínhamos custo de manutenção. Comecei a me desfazer de várias coisas, como roupas”, afirma Isabel.

No início deste ano, Lunardi deixou o emprego e o projeto de viver em uma residência sobre rodas começou a tomar forma. A família passou uma temporada nos Estados Unidos, para entender como funcionam as tiny houses, que podem ser estáticas ou móveis. De volta ao Brasil, o casal, que está vivendo temporariamente em um sítio em Porangaba, no interior paulista, decidiu construir a própria casa ambulante. 

Nesta semana Isabel e Lunardi receberam o chassi da tiny house, encomendado de uma empresa curitibana, e começaram a montar as paredes e o restante da estrutura, que terá 2,6 metros de largura por 8 metros de comprimento e 4,3 metros de altura.

A casa, de 27 metros quadrados, será equipada com painéis solares e baterias de lítio, que entram em cena em dias nublados, quando não for possível gerar energia solar. As lâmpadas da casa são todas de LED, que consomem menos energia. Em dias de sol, é possível até usar a máquina de lavar roupa apenas com a energia gerada pelos painéis. A casa também não deverá gerar resíduos. O sistema de esgoto instalado será o seco, que utiliza um vaso sanitário especial. 

A previsão é de que a casinha fique pronta até novembro. Depois, é preciso obter autorização para circular com a residência-veículo. Se tudo der certo, será a primeira tiny house sobre rodas legalizada do Brasil. “A tiny house te dá liberdade de tempo e dinheiro para ter uma vida com mais qualidade”, afirma Isabel.

Acesse aqui o site do Estadão e leia a matéria online. 

 

 

Siga nossos Pés Descalços

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOP
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial