fbpx

5 MOTIVOS PARA CONSIDERAR O MINIMALISMO HOJE

O minimalismo vem ganhando visibilidade cada vez maior, o que não é de surpreender, visto que estamos em uma sociedade cada vez mais carente de clareza sobre o que temos e o que realmente precisamos. Mas como ter essa clareza me torna minimalista? E como tê-la? A resposta para essas questões nos leva a repensarmos nosso estilo de vida, o que nos dá motivos para considerar o minimalismo.

 

Oi, meu nome é Beatriz e hoje eu resolvi trazer alguns motivos que podem te levar a considerar o minimalismo hoje.

É claro que na vida cada um tem sua perspectiva e vivências que são únicas. Isso quer dizer que não existe uma regra para a aplicação ou não do minimalismo em seu cotidiano. O que quero aqui é trazer algumas reflexões sobre esse estilo de vida e mostrar porquê ele está sendo tão aderido nos dias de hoje.

 

5 MOTIVOS PARA CONSIDERAR O MINIMALISMO HOJE

 

Felicidade realmente vem com a aquisição de coisas?

Todos nós, quando paramos para pensar nessa pergunta, dizemos: “claro que não. A felicidade não vem das coisas”. Mas muitos ainda acham que a aquisição de um carro novo, um smartphone do ano ou uma bolsa de determinada marca traz, sim, felicidade. Afinal, é pra isso que trabalhamos 40, 60, às vezes até 80 horas por semana, não é?

Não estou dizendo que é errado comprar essas coisas. Claro que é legal ter um celular com mais memória RAM ou uma bolsa feita de um material melhor, que dure mais ou que simplesmente traga a sensação de pertencimento à uma comunidade. Mas por que estamos comprando isso? Nós precisamos mesmo? Faz sentido para o nosso propósito? Qual é o nosso propósito, afinal?

Às vezes, estamos tão mergulhados em nossa bolha que não percebemos as compras que fazemos ou não refletimos sobre os reais motivos que nos levam a querer determinada coisa. Achamos que estamos comprando felicidade, mas só estamos nos enganando com a excitação de ter algo novo.

 

5 motivos para considerar o minimalismo hoje

 

Você quer mesmo ser um CEO?

Fazemos as coisas por que temos clareza sobre nossos objetivos ou por que alguém disse que é assim que a vida tem que ser?

A gente vai pra escola, depois pra faculdade, depois pro mercado de trabalho. Agora nosso objetivo é crescer. Ganhar mais visibilidade na empresa, subir de cargo, ganhar mais dinheiro, comprar coisas, subir mais um cargo, ganhar mais dinheiro, comprar mais coisas. Depois, se aposentar. E então viver.

“Tá, mas onde o minimalismo entra nessa história?”. Ele entra na parte em que refletimos sobre o que realmente faz sentido para nós, o que queremos. Por que queremos tanto dinheiro? Por que queremos uma casa super grande quando vamos morar nela sozinhos? Por que queremos uma garagem para caber os carros das visitas quando nós nunca temos tempo para recebê-las? Por que não temos esse tempo?

É um ciclo vicioso que nos esgota e nos deixa sem energia para o que realmente importa: conexão com as pessoas que amamos, pertencimento à uma comunidade, vivenciar a vida no aqui e no agora.

De novo, não tem problema você querer ter as coisas, o problema é quando você não sabe o porquê de querer tê-las e mesmo assim trabalhar a vida toda para conquistá-las.

 

5 motivos para considerar o minimalismo

 

O seu sentimento de inadequação é o lucro de alguém

Ah o sentimento de inadequação… Simplesmente, uma das jogadas de marketing mais poderosas e mais usadas nos dias atuais. Afinal, temos medo de não pertencer ao grupo, temos medo de ficar de fora.

Antigamente, tínhamos um grupo pequeno ao qual pudéssemos nos comparar. Hoje, com a ascensão das redes sociais, fica muito mais fácil nos compararmos – às vezes, de forma injusta – a qualquer pessoa, de qualquer classe social, de qualquer realidade. E assim, muitas vezes, consumimos para manter aparências, tendo como referência pessoas de todos os níveis socioeconômicos.

Nesse contexto, é claro que, em algum momento, nos sentiremos inferiores por não ter o mesmo que os outros. As empresas se aproveitam disso. Então, o que realmente queremos dizer com as coisas que adquirimos? Essa é uma pergunta que devemos nos fazer ao nos percebermos influenciados pelo que vemos nos outros.

 

Do que você precisa para se lembrar de alguém?

Temos o costume de guardar muitas coisas que nos lembram do passado. Às vezes, essas mesmas coisas nos mantêm presos a uma realidade que já não existe, nos impedindo de superá-las e seguir em frente. Parece indelicado, mas a verdade é que nós não precisamos de muitas coisas para nos lembrarmos das pessoas que fomos ou das pessoas que um dia estiveram conosco.

Guardamos coisas pensando em guardar memórias, mas estas estão dentro de nós. Então fica a pergunta: realmente precisamos de coisas para lembrar de alguém?

 

Motivos para considerar o minimalismo

 

Lembre-se de onde as coisas vem e para onde vão

Quando compramos as coisas, geralmente, não pensamos no caminho que elas fizeram até nós e muito menos para onde elas vão quando as descartamos. O minimalismo, além de falar bastante sobre o propósito pessoal e o consumo consciente, também é sobre sustentabilidade, pois, ao comprar menos, você também descarta menos e, consequentemente, coopera com o meio ambiente.

Falando sobre o caminho que os produtos fazem até nós, também vale pesquisar sua origem. A empresa que a produziu possui condutas éticas com a sociedade e o meio ambiente? Esse produto foi fabricado por mão de obra escrava? Há algum abuso animal por trás? Qual o custo ambiental desse bem?

São perguntas como essas que vão fazer com que tenhamos mais consciência ao escolher os objetos que tem a ver com o que acreditamos.

 

Motivos para considerar o minimalismo

 

 

Eu sei, é difícil pensar em minimalismo quando fomos ensinados, desde muito jovens, a consumir sem refletir sobre. Mas essa reflexão sobre pode trazer uma clareza que: a) nos faça desistir de comprar, economizando tempo e dinheiro; ou b) nos permita uma aquisição mais consciente, com mais certeza.

De novo, o minimalismo é algo que vem para ajudar as pessoas a terem uma vida com maior qualidade, tempo e propósito. Não existe uma regra sobre como ele deve entrar na sua vida. Comece com pequenos passos, reflita um pouco mais, perceba o que realmente é importante para você. Garanto que valerá a pena ter essa clareza em sua vida.

Espero que tenha gostado desse post. Até a próxima!

 

Icone bia 1

 

Beatriz Ventureli

Manauara se aventurando na cidade de SP, 26 anos, compositora amadora e marketeira profissional. Buscando o sentido da vida através da simplificação e da reflexão e da empatia.

 

 

Quer colaborar com o Blog do Pés Descalços contando uma experiência, uma história, um aprendizado, um conhecimento, e inspirar mais pessoas? Envie seu texto para [email protected] 

tiny house sobre rodas brasil

Quem somos

Somos uma família que vive em uma Tiny House sobre rodas projetada e construída por nós, e que compartilha conhecimento e experiência com o objetivo de empoderar pessoas em busca de uma vida livre e minimalista, através do Tiny Living, um estilo de vida prático, funcional, simplificado e sustentável.

tiny house sobre rodas brasil

siga o pés descalços

Posts Relacionados

 

OS 5 ERROS QUE COMETEMOS CONSTRUINDO TINY HOUSES

OS 5 ERROS QUE COMETEMOS CONSTRUINDO TINY HOUSES

Nós acreditamos que é muito importante aprender com os nossos erros; mas nada melhor do que também aprender através dos erros dos outros, não é mesmo? Por isso resolvemos escrever este post, para que você aprenda com os erros que cometemos construindo tiny houses....

4 MANEIRAS DE CONSTRUIR TINY HOUSES NO BRASIL

4 MANEIRAS DE CONSTRUIR TINY HOUSES NO BRASIL

Dentro do Movimento Tiny House encontramos diversas possibilidades de design, um mais lindo que o outro, não é mesmo? A verdade é que esses designs e suas funcionalidades existem por conta das várias maneiras de construir tiny houses pelo mundo.   Mas que...

5 DICAS PARA DEFINIR O TAMANHO DA TINY HOUSE

5 DICAS PARA DEFINIR O TAMANHO DA TINY HOUSE

Quando vamos visitar uma Tiny House pessoalmente, ficamos ansiosos para ver o tamanho real que ela tem. Se é alta, se é longa, se é apertada… até imaginamos como seria o nosso dia a dia nela. Questões como “Será que eu conseguiria viver em uma mini casa?” e “como...